21 de maio de 2016

Resenha de X-Men : Apocalipse



    Um dos melhores filmes dos Filhos do Átomo ! 





      O sexto longa da franquia X-Men chega aos cinemas com muitos desafios que até já foram citados aqui em outro artigo. Leia Aqui


     O novo longa traz a história do primeiro mutante do mundo (En Saba Nur), um ser ancestral que ao longos anos foi transferindo sua mente para outros corpos, afim de sempre ser imortal a medida que iria envelhecendo. Neste momento, entendemos aquela cena pós-créditos de X-Men : Dias de Um Futuro Esquecido, no qual uma criança surge com seus quatro cavaleiros do Apocalipse. 


    Ai vemos Oscar Isaac, sendo o corpo a ser utilizado para o novo En Saba Nur se aperfeiçoar. Durante anos ele ficou exilado e adormecido e a humanidade evoluindo. 


  Ao despertar, Apocalipse descobre um mundo completamente perdido em crenças e que ele deve mudar e trazer todos os mutantes para um mundo melhor. 



  Já em Weechester, Charles Xavier (James McAvoy), está mais maduro e muito mais crente no seu potencial de mudar vidas e melhorar os jovens que se descobrem com poderes fantásticos, é assim que encontramos Scott Summers (Tye Sheridan), um jovem buscando junto a seu irmão Alex Summers (Lucas Till), um novo recomeço. Também encontramos uma jovem Jean Grey com poderes ainda sem controle, Um Noturno forçado a lutar contra um Anjo rebelde.



  Apocalipse aos poucos recruta seus cavaleiros, a começar por uma linda e perdida Tempestade, um guerreira com sede de matança (Psylocke), Um Anjo caído e um Magneto completamente destruído por uma fatalidade. 


  Formando seus seguidores Apocalipse vai ao encontro da mente mais brilhante desta era, Xavier e confrontos e perdas são invitáveis. 




   O roteiro é muito bom, mas o filme deixa algumas lacunas em relação ao universo X-Men. Exemplo é a cena final de X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, esqueça aquilo que você viu. 



   Alguns flashbacks são interessantes, mas alguns personagens são desenvolvidos de forma bem trágica. Mistica foi menos e Jennifer Lawrence mais, poucas cenas ela fica azul, a impressão que se tem, é que o ego da atriz foi maior que a personagem.  De vilã a líder dos X-Men foi  uma proposta um tanto exagerada. 


 Anjo e Psylocke também deixam a desejar quando o quesito é história. Os dois personagens se quer têm uma origem, a unica relação que dá um pouco a entender, é quando Psylocke diz que conhece alguém e depois da um olhar para o Anjo e aí você sente que eles tiveram algo no passado, assim como é nos quadrinhos. 


 O próprio vilão se quer passar medo real...Não achei Apocalipse uma grande ameaça. A caracterização realmente nos faz vê que ele não vai te dá medo nenhum.  Osca Isaac deixou a desejar na interpretação, tanto em performance quanto na voz do mutante mais poderoso da humanidade.


  Atuações honrosas temos mesmo é de James McAvoy, Michael Fassbender e Sophie Turner que seguram bem a onda de destruição e atuam de forma primorosa. Essa última por sua vez, mostra uma extensão de seus poderes que vão te fazer lembrar de Famke Jansen em X-Men : O Confronto Final 




A direção de Bryan Singer é mais uma vez excelente, é interessante ver como ele realmente gosta deste universo. Da sua maneira, ele coloca elementos da franquia que você vai amando mais e mais. 



  A cena pós-créditos só irão entender quem realmente é fã de X-Men. Se você não é, sinto te dizer que não entenderá nada.

 A participação de Hugh Jackman, é bem eficiente e temos um Wolverine bem sangrento e conhecendo aquela que ocupará seu coração para sempre, como um amor proibido.  




   No Geral, X-Men: Apocalipse é um bom filme que vai te mostrar muitas cenas de ação, uma excelente cena do Mércurio (Mais engraçada e melhor do que o filme anterior), Easter egg no final e um vilão meia boca. Apesar de tudo, o longa não supera o seu anterior. 



 Nota : 9.4 




Share:
Postar um comentário

Cinema de Primeira

Labels

Arquivo Cinema de Primeira