Critica de Liga da Justiça




   Por Leandro Barreira 




   
    Depois de alguns filmes com criticas até pesadas (Homem de Aço e Batman vs Superman) e com o fiasco de Esquadrão Suicida, a Dc Comics ficou abalada e se viu numa linha tênue que ou mudava algo ou seus filmes iriam fracassar nas bilheteria solidamente. Mas ai veio a Mulher-Maravilha e com uma direção primorosa de Patty Jenkins deu um novo rumo e um caminho que poderia ser almejado. 

                                                Perspectiva 

  E foi nessa perspectiva que o longa da Liga da Justiça foi construído. O filme tinha uma grande pressão, aliás duas. Uma era provar que os filmes da DC não eram sombrios e que haveria sentido na temática deste universo. 



Outro era como trazer o herói mais poderoso e famoso deste universo (Superman)de volta a vida e de forma convincente e harmoniosa sem desvalorizar o restante do enredo. 


  Pois o que posso dizer pessoal, é que a Warner e Zack Snyder junto com a colaboração de Josh Whedon fizeram isso realmente acontecer. É assim que com muita expectativa e bem alta que fui assistir o filme. E posso dizer que fiquei muito satisfeito. 

                                              Tom do Filme

  Zack Snyder acertou o tom do filme, a paleta de cores, as jogadas de câmeras, a trilha sonora, tudo muito bem planejado e executado e claro com um elenco que da seu ritmo cena pós cena e que nos entregam uma ótimo entretenimento para até mesmo o mais leigo de todos dos quadrinhos poder ver e entender. 



  Em Liga da Justiça, o mundo está vivendo dias obscuros com a morte de Superman, todos sentem sua falta e é nesse período que os Parademônios estão em total atividade pelo mundo. Percebendo uma escuridão vindo, Bruce Wayne /Batman está em busca de pessoas com habilidades especiais. Mais uma vez, Ben Affleck se sai bem na trama e conduz um Cavaleiro das Trevas menos Sombrio e mais Humano, querendo uma redenção  em relação aos fatos ocorridos em BvS. 


A história é basicamente uma forma de juntar pessoas com poderes e salvar o mundo de uma ameaça. Mas como  nem tudo são flores, o filme como a maioria tem suas falhas, tudo bem que aqui são basicamente pequenas em relação ao todo deste enredo. Mas o vilão em si aqui é bem fraco, Lobo da Estepe é de longe o arqui-inimigo de peso da Liga da Justiça, porém se você pensar  num todo , fará sentido terem colocado um vilão meia boca. Tudo bem que o ator Ciará Hands têm personalidade e ótimas atuações, mas o que mata aqui é o excesso de CGI, sim a porcaria do CGI que estraga muitos filmes. 

Computação Gráfica

Têm horas que você se irrita com a computação gráfica feita no Lobo da Estepe, com tanto dinheiro investido era de se imaginar um antagonista com mais presença. Em certos momentos, você acha até ele bobo demais. Mas também não vamos crucificar a DC, porque já nos deram vilões melhores. 

O tal bigode de Henry Cavill também parece ter sido um leve problema,pois mesmo com o CGI em uso, fica evidente ao menos uma ou duas cenas que há algo de estranho no rosto do ator,mas isso não é um  agravante até porque não desconstrói nenhuma das suas cenas.  

Roteiro e Personagens

O roteiro  a todo momento tenta te cativar, tudo bem que ele se esforça pra apresentar os personagens de forma mais clara para o mais leigo que for deste universo de heróis. 


Falando nos heróis em si, temos um Batman se culpando pelo o que houve em BvS, uma Mulher-Maravilha(Gal Gadot) lidando com bandidos a nível terrorista, um Flash mais cômico e com tiradas ótimas ,aliás excelente sacada em escolher Ezrar Miller,pois soube representar de forma leve e bem humorada. O Ciborgue(Ray Fisher) é apresentado de forma depressiva, afinal é justificado ele está dessa maneira, mais com o passar do filme , ele se revela mais esperançoso, um Aquaman(Jason Momoa) ao estilo bad boy  e com pouca vontade de querer se meter em uma equipe. 


 Num roteiro que se complica em partes para contar sua história e das caixas maternas e as consequências que elas terão caso O Lobo da Estepe as tenha, temos também a falta de enredo para outros personagens como Lois Lane, Martha Kent e Comissário Gordon e até mesmo a recém apresentada Mera. Todos com sérios problemas de existência para este filme. Tirando a Lois, que só têm destaque em uma única cena,os outros se não estivessem lá, não fariam a menor falta. A unica que se mantem nesse nível de personagens secundários e que se saíram bem, é a atriz Connie Nielsen que vive a rainha Hipólita, mesmo com poucas cenas, ela se eleva com seu talento e presença. 


A volta do Superman e a Fotografia de Liga da Justiça

A história se mostra bem agilizada para trazer o homem de aço de volta do mundo dos mortos e sim, ele volta com tudo!. Henry Cavill se acerta com seu Superman criado por Snyder lá em 2013. 

Cavill se dedicou para este momento e  tanto Snyder e Whedon não se detiveram e mostraram de forma bem clara e evidente a forma de trazer o mais poderoso personagem de volta a trama. 


A fotografia também deve ser elogiada, com muitas mudanças de cores, poucas cenas escuras e sempre com presença de fortes tons, como o vermelho se destacam nesse longa.


Trilha Sonora e Direção 


Danny Elfman soube misturar bem seus arranjos com os antigos, em momentos do filme é possível ouvir a clássica música do eterno longa de Tim Burton e também de Hans Zimmer


Sobre a direção, a de se dizer sobre Zack Snyder que definitivamente fez um trabalho louvável, mesmo depois tendo que se afastar por conta de problemas pessoais, ele manteve sua mão dentro da história e você reconhece em determinados momentos que aquela cena, foi feita por ele. Josh Whedon já elogiado desde de Vingadores (2012),sabe fazer tudo de forma tão simples e com clareza e profundidade que fica até chateado por ele ter sua assinatura no filme só como  roteirista  ao lado de Snyder. 


Resumo 

Liga da Justiça têm seus problemas ,mas não deixa a peteca cair e de forma bem inteligente dá uma nova roupagem para o universo DC e que continue evoluindo,pois os fãs merecem e exigem um resultado convincente. 


Tem falhas, mas acerta em outros aspectos. 


Recomendo, vá ao cinema e assista tranquilo. Há esperança no universo DC/Warner. 



COMPARTILHAR
Anterior
Proxima